Projeto Comboio Unoeste

Pois bem meus amigos, conforme já tinha apontado noutro post tempos atras, decidi trabalhar um outro objeto base para projetos com a turma do 3° termo da UNOESTE.

Eu tenho motivos bem claros para propor isso e tudo fica claro quando insisto que o nome dos cursos “Design de Interiores” está equivocado e é o grande empecilho para o desenvolvimento pleno da área. Defendo, portanto, que o mais coerente seria a alteração do nome de todos os cursos para “Design de Ambientes” (ou Espaços) já que adquirimos muitos conhecimentos na academia que não cabem dentro dos “interiores” apenas e menos ainda permanecer amarrados apenas ao objeto arquitetônico (edificação) e devem, sim, serem aproveitados onde houver necessidade por parte dos usuários.

Assim, lancei o desafio aos alunos de projetar utilizando um outro objeto base: CARRETAS. Transformar carretas baús em alguma coisa (temas lançados) aproveitando-se da estrutura da mesma e deixando-os criar livremente de acordo com as necessidades de sua área tema.

“Ah, mas isso não é atribuição de vocês!” irão berrar alguns.

OK! Mas também não é de arquitetos.

“Ah, mas nós arquitetos assinamos RRT e nos responsabilizamos pelos nossos projetos!”

Sério mesmo? De todos os projetos que você já fez na sua vidinha e que lidou com estruturas, quantos VOCÊ assinou as RRTs sobre a parte estrutural? Hummm, e de elétrica? Talvez hidráulica facilita?

Ok! Então parem de chororô e aceitem que existem profissionais de OUTRA área, que NÃO DEPENDEM DA ARQUITETURA para “sobreviver”, Aliás, por falar em sobreviver, o que seria dos arquitetos sem os engenheiros né?

Indiferente a todo esse chororô (o choro é livre) a minha intenção é simplesmente mostrar que sim, temos condições de desenvolver projetos diferenciados que vão muito além daquele beabá ensinado nas academias amarrado ao elemento arquitetônico.

Oras, existe sim algumas dificuldades técnicas e que não são nossas atribuições (e nem devem pois fatalmente irão afetar o lado criativo). Para isso existem as parcerias profissionais, o trabalho multidisciplinar. No caso específico aqui, os engenheiros (mecânica, elétrica, hidráulica) além do constante contato com os profissionais das áreas temas trabalhadas em cada carreta.

Pois bem, vou começar a postar alguns dos projetos que foram desenvolvidos pelos alunos do TERCEIRO termo (semestre) do curso da Unoeste.

Isso aqui serve também para mostrar que apesar do pouco tempo de duração dos cursos de tecnologia, esta alegação de “falta de conhecimento” não procede pois eles conseguiram encontrar os problemas e dificuldades de projeto e propor as soluções mais adequadas para cada caso. E olha que não é nada fácil trabalhar com uma estrutura que se “contorce” quando está em movimento.

E, finalmente, serve para mostrar o quão equivocado está o PL4692, que regulamenta a nossa profissão, ao insistir em nos manter amarrados ao objeto arquitetônico em sua justificativa que é, na verdade, a “alma da Lei” e permanecerá para sempre atrelada à ela.

Espero que apreciem SEM moderação!!!

Um comentário sobre “Projeto Comboio Unoeste

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s