Concursos: cuidado!!!!

Vira e mexe rola um burburinho nas redes sociais com relação a um ou outro concurso em vigência. Vejo diversas pessoas divulgando-os, outras animadas e até mesmo inscrevendo-se nos mesmos.

Bom, até aí tudo bem. O problema é que a maioria simplesmente não lê o regulamento, ou se lê, não o entende.

Hoje, aqui no Brasil, são raríssimos os concursos que demonstram um mínimo de respeito pelos participantes. Quase todos simplesmente usurpam, se aproveitam principalmente dos profissionais formados recentemente – pior ainda quando é voltado a acadêmicos – que necessitam de projetos para compor seus portfólios e aumentar suas chances no mercado.

Quando se trata de concursos voltados para os acadêmicos, a coisa piora ao vermos professores (se fossem docentes não fariam isso) incentivando seus alunos a participar. Claro, além dos prêmios que alguns concursos oferecem também para estes professores orientadores, conta pontos em seus Lattes.

Nesse sentido, nada melhor que alguma premiação ou menção em algum concurso não é mesmo?

#SQN

Sempre que pensar em participar de algum concurso leia atentamente, quantas vezes necessárias, o regulamento do mesmo. Caso tenha algo que não entenda, solicite ajuda de alguém mais esclarecido que consiga “traduzir” algumas cláusulas. Vou explicar, pois o que não faltam nestes concursos são fraudes e crimes.

Fonte: eeb.com.co

Fonte: eeb.com.co

Recentemente compartilhei em meu perfil no facebook a chamada para um concurso. Confesso que não li o regulamento por falta de tempo. Li a notícia e, por tratar-se de um assunto tão sério e importante de nossa História, pensei que seria algo sério. De pronto, resolvi marcar alguns amigos que sei que lutam há anos contra essas práticas capciosas e estelionatárias. E, rapidamente, a Mônica Fuchs já apontou a danada da “cláusula negra”.

Bom, trata-se de um concurso para a criação de um selo oficial do Centenário de Vilanova Artigas! Grande arquiteto, com uma produção de altíssimo nível e respeitado mundialmente. (http://escoladacidade.org/concursoseloartigas/)

O que me levou a acreditar na seriedade do concurso foi o envolvimento da Comissão Organizadora das Comemorações do Centenário, da Escola da Cidade e de dois designers.

No entanto, geralmente as comissões organizadoras são aquelas que sempre tentam tirar vantagens além do que devem nesses concursos. Mas me surpreendeu mesmo a participação de uma ESCOLA e de dois designers, que deveriam proteger os direitos autorais e de mercado, permitindo passar esta cláusula no regulamento:

“Eu, , portador do RG Nº

emitido em / / , pela , li e aceito os termos do Edital do Concurso para Criação do Selo das Comemorações do Centenário do Arquiteto VILANOVA ARTIGAS e, dessa forma, transfiro gratuitamente e por prazo indeterminado a Coordenação Organizadora, a integralidade dos direitos autorais referentes ao trabalho com o qual concorro. Autorizo, assim, em caráter irrevogável e irretratável, que o trabalho inscrito seja exposto ao público, bem como utilizados em publicações ou empregados em ações de divulgação e publicidade, digital ou impressa, e em quaisquer modalidades de utilização, a critério único e exclusivo da Comissão Organizadora das Comemorações do Centenário do Arquiteto VILANOVA ARTIGAS, a qual poderá utilizar e dispor da logomarca, destinando-a da forma que julgar adequada, respeitando-se, entretanto, os direitos autorais morais do autor.”

Podem estar se questionando sobre o que isso tem de demais não é mesmo? Afinal trata-se de um concurso e nada mais justo que a entidade promotora faça o uso que quiser do projeto premiado. Além disso ela cita sobre os direitos autorais.

O problema aqui é que esse documento deve ser enviado preenchido e assinado por TODOS os inscritos. Ou seja, todos os trabalhos recebidos passam a ser de posse da Comissão Organizadora, não mais dos autores, mesmo dos trabalhos não premiados.

Ah tá, mas no final fala que a entidade “Comissão Organizadora das Comemorações do Centenário do Arquiteto VILANOVA ARTIGAS” poderá utilizar e dispor da logomarca (SIC), destinando-a da forma que julgar adequada, “respeitando-se, entretanto, os direitos autorais morais do autor.”

E você entende o que por isso?

Isso se refere apenas e tão somente a não fazer alterações nos projetos enviados. NADA ALÉM DISSO.

Porém, por mais que seu selo não tenha sido PREMIADO, a Comissão pode, em qualquer tempo, resolver utilizar o seu trabalho que nem foi classificado entre os 20 melhores. E você, bobão, vai se sentir orgulhoso por isso vendo seu trabalho sendo publicado mesmo sem ganhar NADA, enquanto eles faturam alto.

Infelizmente, esta é uma pratica bastante comum aqui no Brasil. Vez ou outra a cláusula é apresentada no próprio regulamento dos concursos, às vezes aparece mascarada na fica de inscrição e, em alguns casos, em um documento à parte que deve ser preenchido, assinado e encaminhado junto com o projeto, como é o caso deste.

De simples “estampas” para canetas, logotipos para “entidades filantrópicas ou sociais” a projetos de Interiores, todas as áreas do Design vem sendo constantemente bombardeada com essa pratica absolutamente desprovida de ética, seja esta de mercado por parte dos organizadores ou profissionais que participam, por parte dos participantes – especialmente dos orientadores – que deveriam zelar, academicamente falando, dos Direitos Autorais em sua plenitude.

A lista de exemplos de concursos embusteiros é extensa demais para ser colocada aqui. Basta que vocês façam uma pesquisa no “Tio Google” e analisem os editais e regulamentos dos concursos em vigência bem como dos passados.

Já passou da hora dos profissionais e acadêmicos parar de participar desse tipo de coisa fraudulenta e que só visa manter e reforçar a prostituição acadêmico/profissional/mercadológica através de uma suposta “visibilidade” de seu nome no mercado.

Portanto fiquem espertos e abram seus olhos.

Ganhar 10, 30 ou 100 exemplares do produto com o seu trabalho impresso ou o valor ($$) indicado, não vale o dano que isso faz à nossa área profissional.

Pode até deixar o seu portfólio mais bonito e que o tal prêmio dê um certo charme ao seu currículo, mas certamente frente aos profissionais mais experientes vai rolar somente um sentimento de, “obrigado tolinho”.

Respeite a nossa área profissional dizendo não a estes embustes.

E, antes de tudo, respeite-se!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s