Aproveitando-se da histeria coletiva

Já faz alguns dias que venho percebendo uma forte tendência da mídia, onde determinados grupos estão, descaradamente, aproveitando-se da histeria coletiva gerada por causa do desabamento dos edifícios no Rio de Janeiro bem como usando o lado desinformado da mesma para aproveitar-se quando lançam inverdades sobre os diversos profissionais que atuam nas diversas áreas da construção civil.

Pelo que tenho percebido em muitas – mas muitas mesmo – matérias que tenho lido diariamente desde o desabamento, o mote principal é: “não reforme sem contratar um profissional especializado“. Isso ocorre especialmente na mídia longe dos grandes centros, mas também ví coisas similares no G1, R7, UOL e outros grandes portais nacionais.

Até aí tudo bem SE e SOMENTE SE a coisa toda parasse por aí.

Mas não. Ainda não contentes, eles tem de tirar vantagem da situação mesmo que isso signifique jogar a ética profissional (que poucos deles tem na verdade) no lixo ao alegar que toda e qualquer reforma exige a presença de um engenheiro ou arquiteto. Que só estes profissionais são qualificados para realizar desde pequenas até grandes reformas seja em residências ou edifícios.

Toda e qualquer alteração deve ser acompanhada por estes dois profissionais que, segundo eles (CREA, CAU, AsBEA, profissionais entrevistados e etc) são os únicos capazes de efetuar obras sem riscos.

APARTE: estou adorando ver CREA e CAU se degladiando AH AH AH!

Aproveitam-se também – e em alguns casos até tentam confundir – do fato das reformas terem sido feitas por uma pessoa não habilitada, que tinha apenas bom gosto e sabia lidar com o AutoCAD. Li muitas vezes, frases dissimuladas onde entende-se perfeitamente ataques diretos aos Designers de Interiores/Ambientes.

Em várias matérias o que dá a entender é que daqui a pouco, até mesmo para simplesmente pintar as paredes o cliente terá de contratar um arquiteto ou um engenheiro civil.

PALHAÇADA!!!

Em meio a tudo isso, para uma associação que sonha em um dia vir à ser o futuro Conselho Fedaral de design de Interiores, a ABD, resta o silêncio conivente com toda esta palhaçada e absurda falta de respeito para com os verdadeiros Designers de Interiores/Ambientes. Sim, digo verdadeiros pois, à começar pela diretoria, a entidade é formada em grande parte por arquitetos e decoradores (que não são designers!).

O silêncio da ABD sobre este assunto é estarrecedor.

Enquanto CREA e CAU aproveitam-se da situação amplificando ao máximo a histeria coletiva gerada por esta caso, desqualificando e humilhando outros profissionais TAMBÉM QUALIFICADOS, a ABD mantem-se em seu reininho cor de rosa onde tudo é lindo, gamuroso e perfeito. Faz de conta que não está vendo mas, pela minha experiência com ela posso afirmar que está sim ciente de tudo isso e só vai se mexer quando a água bater na bunda novamente de algum diretor, como quando aconteceu com a Brandalise.

Nos resta então lutar com nossas próprias armas, a informação e o conhecimento, para tentar barrar essa tremenda falta de respeito que estamos sendo vítimas e pior, sem ter culpa alguma afinal, a fulana lá que estava fazendo a obra NÃO TINHA FORMAÇÃO ALGUMA NA ÁREA, bem diferente de nós, DESIGNERS DE Interiores/Ambientes que estudamos tanto quanto (ou até bem mais que) muitos arquitetos e engenheiros.

Portanto, fica aqui o meu repúdio à tuda essa palhaçada que vem sendo fomentada por pessoas e entidades sem qualquer respeito ou ética pessoal e, quiçá, profissional.

Portanto senhores, antes de vir à público desqualificar e humilhar a minha área profissional, arrumem primeiro a casa de vocês! Tem muita coisa para vocês se preocuparem dentro de suas próprias áreas para ficar de olho grande em cima da minha área. Se não conseguem enxergar, aqui vão algumas dicas:

FORMAÇÃO:

O que não falta neste país é UNIESQUINA lançando péssimos profissionais no mercado. O problema está na péssima qualidade dos cursos ofertados especialmente nas IES particulares.

CARTEIRA PROFISSIONAL:

Por serem estas áreas essenciais e que fundamentalmente podem colocar usuários em risco de morte, não entendo como não há a exigência de um exame para poder atuar na área. Somente os exames podem evitar a infestação dos profissionais ruins que mancham as profissões. Só para constar: defendo a aplicação do exame para a minha área também ok?

Uma dica ainda dentro deste tema: façam uma provinha bem básica com todos os engenheiros e arquitetos sobre a NBR 15.575. Tenho certeza de que 90% irão reprovar. Aí vocês terão uma verdadeira noção da realidade dos profissionais atuantes no mercado que vocês representam.

ATUAÇÃO PROFISSIONAL:

O que não falta é profissional de engenharia e arquitetura que não abrem suas ARTs, que não respeitam os códigos de ética, que não cobram por projetos em troca das RTs e mais um oceano de coisinhas que precisam ser arrumadas com urgência. Se tiver de punir, que apunição seja exemplar para que os outros aprendam através do sofrimento alheio à não cometer os mesmos erros e safadezas.

FISCALIZAÇÃO:

Isso é uma piada aqui no Brasil. O que não faltam são obras com profissionais que se recusam à colocar suas placas para fugir da fiscalização (voltando ao item anterior).

SOCIAL:

O Brasil é um país de terceiro mundo e continua sendo de terceiro mundo apesar de toda a pavonice que tem sido criada para desmistificar isso. É só olhar em qualquer cidade, nas volas, nas favelas os graves problemas que enfrentamos diariamente. Um país que não oferece saneamento básico para a sua população, em sua totalidade, não pode ser considerado de primeiro mundo. Porque vocês permitem a proliferação de construções feitas por “práticos” em áreas de risco e alto risco? Porque não levantam a bunda de suas cadeiras e vão em cima do Cogresso Nacional exigir que esse tipo de coisa seja proibido aqui no Brasil? Porque não solicitam aos profissionais de suas áreas que sejam cidadãos conscientes e doem projetos populares para os menos favorecidos?

Não me refiro a projetos como o que o CREA tem de moradias sociais e sim a ação particular de cada profissional. Se não quer fazer uma “casinha”, faça uma praça, projete o saneamento de uma rua, urbaniza uma vila afastada entre tantas outras coisas que vocês podem fazer E NÃO FAZEM! Preferem ficar de picuinha.

Parceiros, fornecedores e empreendedores para fazer isso vocês conseguem fácil. O que falta é vontade de vocês fazerem algo de realmente útil à sociedade.

Estas são apenas algumas dicas para que vocês vejam quantos problemas existem dentro das áreas de vocês e que vocês não resolvem. Ou por fazer vista grossa ou porque não querem resolver mesmo. Existem ainda muitos outros. É só vocês observarem atentamente o mercado e as notícias nos jornais (não apenas as que lhes interessam).

E parem de ridicularizar e menosprezar a minha área profissional para a qual, estudei (e estudo) muito.

Por essas e outras Designers, precisamos com urgência urgentíssima regulamentar a nossa profissão de maneira séria, não através da palhaçada que a ABD está propondo.

2 comentários sobre “Aproveitando-se da histeria coletiva

  1. Pingback: Retrospectiva 2012 | Design: Ações e Críticas

  2. De fato, a histeria é oportunista e infantilóide também. Apesar de atuar em arquitetura, construção e design, vejo muito exagero nisto, similar ao “Ato Médico”, que quer, prá dizermos o minimo, exclusividade no ofício. A situação carece de diálogos francos, mas o protecionismo, como práxis secundária, trata-se de uma realidade institucionalizada. Existem bons profissionais sem diplomas e existem maus profissionais diplomados, agora, entender a lógica do mercado, é coisa que nem mesmo os economistas, que estudaram prá isto, conseguem elaborar. Prefito as trilhas do bom-senso, pré-orçamentos com contarato assinado, incuído…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s