Atividades complementares – formação

Dando sequência aos posts relacionados à formação, gostaria de aprofundar um pouco mais aqui sobre um elemento que não é explorado pelas universidades.

Praticamente todos os cursos de Design de Interiores/Ambientes tem em sua Matriz Curricular as atividades complementares, porém estas ficam desconhecidas e/ou escondidas dentro dos ementários não possibilitando ao pré-acadêmico analisar corretamente sobre o que são, na verdade, estas. Já coloquei em outro post sobre estas atividades que, muitas vezes, estas não passam de “embromattion” para fechar a carga horária dada a dificuldade de se conseguir informações sobre o que estas vem a ser na verdade. Geralmente só descobrimos isso durante o curso.

Também tem este post a ver com o carater social que a nossa profissão deve ter já desde a formação e, através disso, além de formar profissionais mais conscientes de seu papel no mundo real – lembrando que este também é composto por pessoas de baixo poder aquisitivo que merecem ter uma vida mais digna e que a nossa profissão não só pode como deve ser utilizada com um carater social e não somente naquilo que aparece em capas de revistas – auxiliar aqueles mais necessitados com o que a nossa profissão puder alcançar.

Pois bem, as IES que oferecem os cursos de Design de Interiores/Ambientes possuem estrutura para estender estas atividades além de seus muros. É comum vermos dentro destas as incubadoras de empresas em várias áreas, menos em Design de Interiores/Ambientes.

No entanto, percebemos que a maioria dos cursos superiores exigem dos alunos o estágio. Então porque não aproveitar  uma idéia como componente curricular que atenda a esta necessidade trabalhando de uma forma socialmente responsável?

Os investimentos para isso por parte das IEs são baixíssimos se comparados aos benefícios sociais e retornos que a mídia pode oferecer.

Basicamente teríamos dois pontos de ação:

1 – desenvolvimento, acompanhamento e execução de projetos voltados a entidades assistenciais (orfanatos, asilos, centros de recuperação, hospitais, etc). Veja bem: não me refiro às casas de repouso e outras entidades particulares e sim aquelas públicas e filantrópicas que carecem de recursos de todos os tipos.

2 – desenvolvimento, acompanhamento e execução de projetos voltados às residências e comércios de populações menos favorecidas.

No primeiro caso, temos a oportunidade de desenvolver projetos que irão atender entidades filantrópicas e assistenciais buscando soluções para seus problemas funcionais através de intervenções no layout, mobiliário, iluminação, cores e texturas, paisagismo, higiene e bem-estar, etc.

Em asilos e orfanatos, por se tratar de ambientes onde os usuários permanecem o dia todo muitos por um longo período e outros até a morte, podemos entrar com ações que visem a melhoria da qualidade de vida dentro destes espaços buscando atender as necessidades de acessibilidade, higiene, segurança, fluxo e organograma, estética, conforto (térmico, acústico, sensorial) entre outros. Estas ações são necessárias para diminuir a sensação de prisão, isolamento, afastamento e rompimento dos laços familiares (abandono), rejeição, inutilidade entre tantos outros sentimentos e sensações ruins.

Nos hospitais, centros de recuperação e creches as ações são parecidas e as finalidades as mesmas, porém aqui, temos um ponto a mais de atenção que está voltada à saúde, pressupondo, assim, projetos mais específicos.

No segundo caso, dar atendimento às pessoas oriundas de classes menos favorecidas buscando soluções para melhorar a qualidade de vida delas e o bem-estar através de projetos simples com custos adequados aos seus orçamentos.

Sempre que vemos imagens dos interiores dessas residências percebemos a falta de noção espacial e de arrumação. Também é comum percebermos um sistema elétrico sobrecarregado, ou insuficiente, ou ineficaz assim como o sistema hidráulico. Além disso é comum percebermos as coisas amontoadas, armários sobrecarregados, falta de espaço para circulação, acidentes domésticos acontecendo rotineiramente por causa destes motivos.

Tanto em um como no outro, são intrínsecas as ações de conscientização e educação ambiental, higiene e saúde coletiva, segurança entre outros tópicos importantes na construção da cidadania e do cidadão.

Uma sala para atendimento/desenvolvimento/administração, uns três computadores para desenvolvimento dos projetos, suporte de mídia e/ou divulgação e um professor orientador. Basicamente esta é a estrutura que a IES tem de oferecer. Nada perto do que isso significa socialmente.

Um ponto a se destacar aqui é que não é difícil encontrar na indústria voltada para a nossa área, parceiros e patrocinadores para uma empreitada desse porte. De tintas e revestimentos, passando por mobiliários e chegando aos acessórios finais de decoração, são produtos fáceis de se conseguir através de patrocínios e parcerias afinal, responsabilidade social e ambiental estão em alta.

Eu particularmente adoraria pegar a responsabilidade de um projeto nesta linha pois não gosto de ações que visam arrecadar fundos que eu não sei como, onde e se serão realmente e corretamente utilizados. Prefiro agir, fazer. Isso faz parte de mim. A necessidade de fazer algo pelo próximo e não simplesmente pagar para que outro o faça por mim.

Ao pessoal que está no meio acadêmico fica aqui uma dica: conversem com seus professores e coordenadores de curso para viabilizar isso na sua IES.

Todos tem a ganhar com isso seja o discente, o docente, a IES, os parceiros e, principalmente, aqueles que realmente necessitam de ajuda.

10 comentários sobre “Atividades complementares – formação

  1. Pingback: Está pensando em cursar Design de Interiores? | Design: Ações e Críticas

  2. Pingback: O melhor de 2010 aqui no #DAC! « Design: Ações e Críticas

  3. Boa tarde Paulo,
    Quero parabenizá-lo pelo artigo postado. Suas palavras são encorajadoras e certamente despertará outras pessoas para o trabalho social usando seus conhecimentos profissionais.
    Trabalho em uma loja de móveis planejados e estou iniciando os estudo DI já com a proposta de contribuir socialmente em minha comunidade (Cerquilho – SP).
    Um grande abraço,

    Fernando Foltran.

  4. Olá Paulo como vai!
    Conheci seu blog pois, uma aluna nossa me enviou para conhecê-lo!
    Parabéns gostei muito, todos seus assuntos são atrativos para todos e irreverentes!
    Vi em especial o assunto social que vc colocou, somos uma instituição, e há 11 naos temos o curso técnico em design de interiores e a pós graduação em projeto de interiores, em ambos os cursos desenvolvemos projetos sociais de todo o estilo. Inclusive nos colocamos a disposição para continuar desenvolvendo e incentivando o design para todos e tb o design universal!
    Mais uma vez parabéns por sua iniciativa!

    abs,

    Claudiane Cassol
    Direção
    CEPDAP Profissões Inovadoras

    • Olá professora Claudiane,
      fico super feliz com a sua participação aqui em meu blog.
      Busco sempre abordar de frente assuntos que deixam as pessoas melindrosas, que preferem nao falar sobre, que acham que vai gerar inimizades e antipatia por dois motivos:
      1 – não suporto coisa errada nem imposição de coisas
      2 – não tem ninguém que dê a cara a tapa como eu.
      Longe de querer me tornar um martir sobre o assunto, busco apenas levantar verdades que incomodam (e qual verdade não incomoda não é mesmo?)
      Gostaria de saber mais sobre o trabalho em design social desenvolvido por vocês. Se tiver algum material e puder me enviar ficarei feliz em divulga-lo até mesmo para servir de referência para outras instituições.
      Volte sempre e sinta-se em casa por aqui ok?
      forte abraço e muita luz!!!

  5. Boa noite, Paulo. Pretendo usar tudo o que você aqui explanou e mais algumas pesquisas (vai ser muito importante que as pessoas conheçam seu blog e sua forma de olhar a profissão) e montar um pequeno projeto a ser apresentado à minha coordenadora no curso, para que possam analisar a possibilidade de implantar essa modalidade de estágio na grade curricular. Pode até nem dar em nada, mas mesmo assim vou expor, não custa tentar (pretendo até depois visitar outras Universidades que ofereçam o curso de DI para apresentar também a eles, caso já não o façam). Gostaria de colocar algumas fotografias, para que o impacto seja maior, por isso gostaria muito de usar as que você aqui postou e outras. De qual site você retirou as fotos? Se for de alguma entidade filantrópica melhor ainda, assim posso explorar mais material e citar todas as fontes da minha pesquisa.
    Abraços, Paulo, e muito sucesso… sempre!
    Nathalia

    • Nathalia, algumas fotos são de arquivo antigo meu eoutras que fui encontrando pela web.
      Busque por termos como “moradia popular”, “casa popular” essas coisas.
      abs

  6. Muito bom esse post, Paulo! Traz uma nova luz à profissão, e nos faz refletir sobre a situação dessas pessoas e sobre como e o que podemos fazer para melhorar sua qualidade de vida. Agora que estou “oficialmente” matriculada no curso – rsrsrs – vou conversar desde logo com minha coordenadora sobre o assunto e discutir possibilidades em relação ao nosso estágio.
    Obrigada mais uma vez pela importante contribuição que sua página proporciona aos estudantes, profissionais e interessados. Vou indicar seu blog como leitura aos meus colegas e professores que porventura não o conheçam.
    Nathalia

    • Olá Nathalia,
      Seja bem vinda então!!!
      É isso aí, temos de ter consciência de que nem só de flashes é construída a nossa profissão e o nosso ser.
      Abraços e sucesso!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s