Entendendo a perspectiva

Olá Pessoal! Neste artigo iremos conhecer um pouco sobre perspectiva e suas variações. Com ela podemos criar diversos ambientes e trazer mais dramaticidade à a sua cena.

A perspectiva não é nada mais que uma grande ilusão que nossa percepção visual fabrica para que possamos entender a profundidade, volume e distância dos objetos. 

Se pegarmos um objeto, nesse caso um quadrado, e o colocarmos um de seus lados em outra direção, parecerá à nossa visão que ele terá dimensões diferentes, ou seja, o lado mais próximo de nós parecerá maior do que o lado mais distante.
 
Para representar a perspectiva fazemos uso destes elementos básicos:

Ponto de Fuga (PF): É a direção ao qual o objeto estará se dirigindo, se aprofundada.

Linha do Horizonte (LH): Linha imaginária que separa o lado superior e inferior da visão. É também o local onde se localiza o Ponto de Fuga.

Para melhor visualização da Linha do Horizonte e Ponto de fuga, iremos fazer uso da Perspectiva Linear e Oblíqua.

Perspectiva Linear

 

Como podemos ver na figura acima, o objeto foi criado fazendo uso do Ponto de Fuga. Este objeto está acima da Linha do Horizonte, a que se refere ao centro de nossos olhos, o que faz entender que o mesmo está acima de nós.

Podemos dispor de outras possibilidades, tais como:

 

Resumindo, a Perspectiva Linear trabalha apenas com um único Ponto de Fuga.

Perspectiva Oblíqua

Fazendo uso dessa perspectiva conseguimos criar sensações de profundidade e volume em um desenho geométrico. Porém há uma limitação: só é possível ver dois lados do objeto formado. Nesse caso chamamos isso de perspectiva bidimensional, ou, 2D. E como poderíamos aumentar essa noção de profundidade e maior visão de outros lados? Criando um objeto em 3D, ou seja tridimensional. Exemplo:

 

Além disso nós podemos criar sensações mais vertiginosas, com masis profundidades e mais intensas. Para isso, adicionamos mais pontos de fuga. E não será sobre a linha do horizonte, mas fora dela. Exemplo:

 

Como podemos ver, a tri dimensão nos dá a sensação de altura, largura e profundidade concomitantemente.

Fazendo uso de guias como estas, também podemos nos aventurar a criar ambientes com luz e sombra, sempre respeitando a localização da luz. Exemplo:

 

Na figura acima vemos que a luz se torna uma referência para o término da sombra do objeto. Também na figura abaixo temos essa noção:

 

Os dois exemplos acima são exemplos básico que constituem a luz e sombra. Para um melhor entendimento é importante que você observe melhor tudo que está ao seu redor, treinando assim sua percepção visual.

No próximo artigo veremos na prática como criar um ambiente em perspectiva no Corel Draw Fazendo uso de linhas guias.

Grande abraço!

 

Por: Wellington Carrion, Imasters

2 comentários sobre “Entendendo a perspectiva

  1. Gostei muito das esplicações. Baseado no pouco que aprendi sosinho no paiont do meu computador suas dicas muito vaõ enrriquecer meus desenhos,
    porque no meu conceito, luz sombra e reflexo saõ as bases de todas as pespectivas
    realmente fiquei muito satisfeito, porque pela primeira ves encotrei um sait
    que mim passou alguma coisa que eu psso ter como base sertesa
    muito grato.
    Souza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s